Truques de pesca que meu avô me ensinou

Quem não se lembra com carinho de algo que aprendeu com seu avô? As coisas que os mais velhos nos ensinaram ficam conosco para sempre e, em muitos casos, tornam-se verdadeiras tradições familiares. É o caso de algumas dicas de pesca que aprendi com meu avô.

O velho tinha os seus próprios costumes quando se tratava de pescar e a verdade é que era muito bom a pescar. Um de seus truques era sempre procurar o lugar mais atraente para os peixes. Ele sabia que os peixes se aglomeram em torno de estruturas (naturais ou artificiais) localizadas na costa, como píeres ou falésias com fundos gradualmente submersos.

Esses locais servem de refúgio para peixes pequenos e área de alimentação para peixes grandes. É aí que temos mais oportunidades de pescar. As falésias com grande profundidade, por outro lado, não são locais muito atractivos para os peixes. É por isso que o velho sempre me disse para evitá-los.

2-Pesca-e-vela-com-a-família.jpg

Existe uma maneira de identificar a profundidade dos peixes que aprendi há muito tempo. Pode ser medido usando um método fácil e eficaz. Meu avô costumava marcar a linha no carretel quando enfiava um peixe. Pode ser feito com um marcador colorido ou riscando-o com um pequeno pedaço de fita adesiva. Uma vez que o gancho é lançado novamente, a linha pode correr até que a marca saia do carretel. Desta forma, você sempre alcançará a profundidade onde estão os peixes.

Também aprendi que isca viva é melhor. Iscas frescas e naturais emitem odores que aproximam os peixes do anzol. As minhocas, dizia meu avô, são as mais apetitosas e devem ser espetadas pela cabeça para que não haja possibilidade de fuga.

Todos esses truques fazem parte da minha rotina de pesca junto com alguns costumes que são quase um ritual de família. Como meu avô costumava fazer, eu sempre uso a mesma bengala como amuleto da sorte. Coloco na mesma posição e no mesmo lugar quando vou pescar no barco. Na verdade, ainda tenho a mesma bengala que usei quando criança.

3-Pesca-em-família.jpg

Esses costumes podem não ter nenhuma base real, mas fazem parte da herança que herdei do meu avô e que já estou ensinando ao meu filho. A pesca fortalece a união com os entes queridos enquanto relaxamos e curtimos a natureza.

Meu filho já gosta desse esporte. E embora nem sempre tenhamos a mesma sorte, espero um dia ser tão bom quanto meu avô e que ele aprecie essa tradição familiar tanto quanto eu.

Saiba mais sobre Como pescar e navegar. Desfrute de um dia ao ar livre com sua família e amigos. Lembre-se que você deve comprar sua licença de pesca antes de ir pescar.


Você pode gostar também

Bruna Carincotte

Bruna Carincotte

Bruna Carincotte traz para a RBFF uma vasta experiência internacional em marketing, comunicação e relações públicas. Natural do Brasil, e fluente em português, espanhol e inglês, Bruna tem 13 anos de experiência em comunicação, com relevantes habilidades de gerenciamento de projetos desenvolvidas na América Latina, Europa e América do Norte.
Bruna agora supervisiona as estratégias de relações públicas e mídias sociais, bem como o desenvolvimento de conteúdo para os canais de mídia social da RBFF e é Take Me Fishing™ | Campanhas da marca Vamos a Pescar™.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *